OUTROS DESTAQUES
Espectro
América Latina só entregou 33% do esperado para 2017 em espectro, diz entidade
sexta-feira, 12 de Janeiro de 2018 , 13h33

A América Latina só atingiu 33% do objetivo total de 1.481 MHz liberados para operadoras durante o ano de 2017 – ou seja, foram disponibilizados 485 MHz. Segundo a entidade setorial 5G Americas, essa entrega aquém da meta "ressalta os atrasos que historicamente têm experimentado a América Latina na outorga de espectro radioelétrico para o serviço móvel". Diz ainda que nos últimos 20 anos a região tem mostrado lentidão nos processos para alocar frequências limpas para o serviço móvel, necessárias para a promoção da banda larga. "Não contar com espectro suficiente implica desacelerar o potencial da inovação tecnológica, atrasar o uso de novas aplicações avançadas e reduzir o mercado potencial para o desenvolvimento de soluções voltadas a atender necessidades locais", diz a entidade, em comunicado enviado nesta sexta-feira, 12.

O total de 485 MHz foi conseguido graças a leilões na Argentina (80 MHz FDD, 20 MHz TDD, ambos na faixa de 2,5 GHz; além de autorização de 60 MHz para uso em 900 MHz e 2,5 GHz), Costa Rica (70 MHz em 1,9/2,1 GHz e 1,8 GHz), México (60 MHz em 2,5 GHz), Porto Rico (70 MHz em 600 MHz) e Uruguai (125 MHz em licitações de 700 MHz, 1,9/2,1 GHz, AWS e AWS-3).

A 5G Americas estima que os órgãos reguladores latino-americanos promovam a alocação agregada de 1.856 MHz de espectro em 2018, dos quais 70 MHz já foram entregues no Paraguai. A entidade ressalta que a recomendação da União Internacional de Telecomunicações (UIT) para 2020 é de 1.960 MHz por mercado. Na lista, incluem 100 MHz de capacidade na faixa de 2,3 GHz para o Brasil. Esse total não é confirmado por reguladores como a Anatel, mas estimado pela 5G Americas com base em "processos recentes de leilão e a tendência atual das bandas".

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

Principal encontro independente de debate e reflexão sobre políticas setoriais dos setores de telecomunicações e Internet. Organizado há 17 edições pela TELETIME e pelo Centro de Estudos de Políticas de Comunicações da Universidade de Brasília (CCOM/UnB), o evento congrega reguladores, formuladores de políticas, acadêmicos, empresas e analistas para um debate aberto sobre os temas mais relevantes e que serão referência ao longo do ano. Em 2018, estão em discussão uma agenda possível para o setor, o impacto do cenário eleitoral sobre as telecomunicações, a atuação  do Congresso Nacional sobre as políticas do setor de telecomunicações e Internet e as referências regulatórias internacionais.

20 de Fevereiro
, ,
EVENTOS

Principal encontro independente de debate e reflexão sobre políticas setoriais dos setores de telecomunicações e Internet

20 de Fevereiro
 
Top