OUTROS DESTAQUES
Nova Oi
Subscrição de novas ações resulta aporte de R$ 2 bilhões para a Oi
sexta-feira, 11 de janeiro de 2019 , 19h39

O conselho de administração da Oi confirmou a emissão das ações ordinárias relativas ao aumento de capital da companhia. Após ter resolvido no início da semana a peleja com a acionista Pharol (antiga Portugal Telecom), a companhia comunicou a acionistas e ao mercado nesta sexta-feira, 11, o resultado do exercício do direito de preferência e pedidos firmes de subscrição de sobras de ações não subscritas. Juntando os valores obtidos com a subscrição de novas ações ordinárias, no total a companhia conseguiu aporte de cerca de R$ 2 bilhões.

Segundo a Oi, detentores de direito de preferência subscreveram 1.530.457.356 novas ações ordinárias ao preço de R$ 1,24 por cada nova ação, incluindo 856.519.080 novas ações ordinárias subscritas por custodiante dos programas de American Depositary Receipts (após instruções recebidas dos titulares de direitos de American Depositary Shares – ADS). Com isso, a companhia totalizou um aporte de recursos no valor de R$ 1,898 bilhão.

Por sua vez, titulares de direito de preferência manifestaram "interesse firme" na subscrição de 91.322.933 novas ações ordinárias, incluindo 49.156.560 sobras de novas ações ordinárias que também tiveram pedido firme feito pelos custodiantes de ADSs. Como o preço também foi de R$ 1,24 por ação, o total do aporte de recursos foi de R$ 113 milhões. "Tendo em vista que o número de sobras de novas ações ordinárias solicitadas foi inferior ao total de sobras de novas ações ordinárias disponíveis, os pedidos de sobras de novas ações ordinárias apresentados pelos acionistas e detentores de ADSs foram atendidos integralmente", diz a companhia no comunicado enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Na próxima semana, no dia 15, os titulares de direito de preferência que tenham manifestado intenção em subscrever sobras de novas ações ordinárias (incluindo custodiantes de ADSs) serão notificados e chamados a integralizar o valor a eles alocados até a próxima sexta-feira, 18. A reunião do conselho que confirmará a subscrição das sobras deverá ocorrer no dia 21 de janeiro.

Conforme explica no comunicado, a Oi espera que as novas ações ordinárias que não sejam subscritas acabem sendo adquiridas por investidores e administradores de fundos de investimento partes do contrato de compromisso e subscrição de 19 de dezembro de 2017, celebrado pela companhia e com esses investidores e administradores.

A empresa esclarece ainda que a taxa de câmbio utilizada para a conversão do preço de subscrição das novas ADSs ordinárias foi de R$ 3,8934 por dólar. Com isso, o preço foi a US$ 1,592439 por nova ADS. O agente de direitos de ADS restituirá aos detentores de direitos US$ 0,437561 do valor de depósito dos novos títulos por cada nova ADS ordinária inicial subscrita. A expectativa é que o reembolso do montante excedente seja entregue aos respectivos titulares no dia 17 de janeiro. A taxa de câmbio para determinar o equivalente em dólares do preço de subscrição das novas ADSs ordinárias para sobras será determinado pelo agente direitos da ADS até o dia 16 próximo. A intenção é ter fundos disponíveis para o reembolso do montante excedente.

COMENTÁRIOS

1 Comentário

  1. Erick Nilson Correa e Silva disse:

    Avante Oi!
    Tomara que algum europeu ou chines queira entrar de acionista na Oi.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

Comece o ano com um debate atualizado e aprofundado sobre os principais pontos da pauta política e regulatória do setor de Comunicações para o ano de 2019, as perspectivas para o novo governo e para o trabalho da Anatel, além de discussões aprofundadas sobre o modelo de regulação por incentivos e a aplicação  e implicações da Lei de Proteção de Dados para o setor de telecomunicações.

19 de fevereiro
Auditório Finatec, DF, Brasil
EVENTOS

Comece o ano com um debate atualizado e aprofundado sobre os principais pontos da pauta política e regulatória do setor de Comunicações para o ano de 2019, as perspectivas para o novo governo e para o trabalho da Anatel, além de discussões aprofundadas sobre o modelo de regulação por incentivos e a aplicação  e implicações da Lei de Proteção de Dados para o setor de telecomunicações.

19 de fevereiro
Auditório Finatec, DF, Brasil
Top