OUTROS DESTAQUES
Orçamento
Cortes no orçamento de 2017 afetaram Anatel e fundos de telecom
quinta-feira, 11 de Janeiro de 2018 , 14h11 | POR ANDRÉ SILVEIRA

No ano de 2017, as restrições e cortes orçamentários para buscar equilíbrio nas contas do Governo Federal atingiram os investimentos no setor de telecomunicações. De acordo com dados do Tesouro Gerencial do Governo Federal, no período a Anatel tinha uma previsão orçamentária estabelecida na Lei Orçamentária Anual (LOA) de R$ 140 milhões. No entanto, o valor empenhado (ato que cria para o Estado a obrigação de pagamento) foi de  R$ 94,4 milhões. Para o Fundo de Universalização das Telecomunicações (Fust), a previsão de investimentos foi de R$ 101 milhões. O valor foi empenhado em sua totalidade. Para o Fundo de Desenvolvimento Tecnológico das Telecomunicações (Funttel), o estabelecido foi R$ 28 milhões, e o empenhado chegou a R$ 22,5 milhões. Para o Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FNDCT), o orçamento previsto na legislação era de R$ 1,2 bilhão e o empenhado foi de R$ 916,7 milhões. A Telebras teve empenhado o valor de R$ 167 milhões, que corresponde a 100% do estabelecido no orçamento. E o programa Cidades Digitais também teve empenhado praticamente 100% dos R$ 21,8 milhões determinados no orçamento.

De acordo com informações do MCTIC, no orçamento total, houve o empenho de R$ 4,552 bilhões. O valor corresponde a 99% do limite orçamentário disponível para o período. Conforme o MCTIC, a Lei Orçamentária Anual de 2017 destinava à pasta um total de R$ 5,224 bilhões, mas R$ 627 milhões ficaram contingenciados, no decorrer do ano. Na sexta-feira (29), último dia útil do ano, o Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPDG) liberou R$ 50 milhões adicionais, que foram imediatamente empenhados. Desse total, R$ 30 milhões foram destinados ao FNDCT, para o pagamento de bolsas de pesquisa, e outros R$ 20 milhões às Indústrias Nucleares do Brasil (INB), para a produção de concentrado de urânio.

"Considerando o momento de ajuste ainda vivido pelo governo, a execução orçamentária com competência é uma das principais diretrizes do ministério. E some-se a isso a aposta em projetos estruturantes nas áreas de ciência, tecnologia, inovações e comunicações. Destaco também a importância da mobilização de entidades atuantes nesses setores na luta por recursos, um desafio fundamental para nosso ministério", afirmou o ministro Gilberto Kassab.

O secretário-executivo adjunto do MCTIC, Alfonso Orlandi Neto, ressaltou a participação das entidades vinculadas na distribuição dos recursos do orçamento. "Tínhamos um determinado recurso e conseguimos fazer as ações que imaginamos na LOA, sem esquecer que o MCTIC tem 30 entidades vinculadas, ou seja, gerenciamos não apenas a nossa execução orçamentária. Então, de fato, houve um nível de controle de eficiência bastante grande. Embora a performance de 2016 tenha sido ótima, com 97% do orçamento empenhado, evoluímos ainda mais e só não chegamos a 100% por detalhes."

Orlandi também destacou o crescimento no número de emendas parlamentares – 96 em 2017, diante de 73 em 2016. "O valor subiu de R$ 31 milhões para R$ 38 milhões; a quantidade de estados envolvidos passou de 14 para 21. As emendas se distribuíram dentro de 15 ações do ministério, duas a mais do que no exercício anterior. E, do financeiro disponibilizado, conseguimos pagar R$ 12,8 milhões no ano passado e quase R$ 30 milhões agora. Os números são muito positivos. Fizemos tudo aquilo que tinha condição de fazer."

Para 2018, o Congresso Nacional aprovou um valor total de R$ 12,7 bilhões para o MCTIC. Para a Anatel, os recursos previstos são de R$ 614,1 milhões; e para a Telebras, estão destinados R$ 130 milhões para o satélite, R$ 19 milhões para cabo submarino e R$ 19 milhões para rede terrestre. Foi o primeiro orçamento aprovado sob a vigência do teto de gastos.

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

O Painel TELEBRASIL, mais tradicional encontro de posicionamento do setor de telecomunicações, discutirá em 2018 os rumos da indústria depois do ciclo de sucesso completado com os 20 anos da privatização do sistema estatal de telecomunicações. A realidade da Internet das Coisas, a chegada da tecnologia de 5G, a necessidade um ambiente mais flexível e dinâmico para os investimentos essenciais a esta nossa etapa e um modelo preparado para o futuro são alguns dos desafios em debate, com presença dos presidentes das principais empresas prestadoras de serviços e provedoras de tecnologias, além de autoridades, reguladores e especialistas.
Em sua edição de número 62, o Painel TELEBRASIL 2018 ganha um dia a mais de debates, com mais espaço e oportunidades para a troca de informações, relacionamento e atualização, tanto para profissionais da indústria quanto para reguladores e formuladores de políticas, que têm acesso gratuito ao evento (mediante inscrição prévia). É o espaço em que as principais lideranças da indústria marcam posição em relação a estratégias, tecnologias e políticas públicas neste novo ciclo.

22 de Maio a 24 de Maio
Royal Tulip Brasilia Alvorada, DF, Brasil
EVENTOS

Evento oficial da Associação Brasileira de Empresas de Telecomunicações, o Painel TELEBRASIL, mais tradicional encontro de posicionamento do setor. É o espaço em que as principais lideranças da indústria marcam posição em relação a estratégias, tecnologias e políticas públicas.

22 de Maio a 24 de Maio
Royal Tulip Brasilia Alvorada, DF, Brasil
Top