OUTROS DESTAQUES
Mercado
Estudo da Anatel analisa redução de receitas das operadoras móveis
terça-feira, 09 de agosto de 2016 , 18h02

As receitas das operadoras móveis, de 2013 a 2015, apresentaram queda, conforme levantamento da assessoria técnica da Anatel. Segundo o estudo, em valores atualizados, as operadoras faturam menos em 2014 e 2015 do que em 2008/2009, passando de R$ 17 bilhões para R$ 14,2 bilhões. A redução das tarifas de interconexão e a queda do número de linhas ativas podem ter interferido nesse desempenho, avaliam os técnicos. Soma-se a isso, a redução do preço médio do minuto, que oscilou em torno de R$ 0,16 no ano passado. Veja aqui a íntegra do relatório.

De acordo com o relatório, a TIM possui o maior tráfego sainte e o menor preço médio, na casa de R$ 0,125 o  minuto. A Vivo, ao longo do período analisado, apresentou o maior preço médio, por volta de R$ 0,20 o minuto. A Oi e a Claro possuem preços médios intermediários. Porém, o preço médio da Oi, no último trimestre de 2013, superou todos os demais, com R$ 0,225.

Em relação ao preço de interconexão, desde o ano de 2011 o valor de referência da VU-M diminuiu, em média, 58%. Até 2019 o valor médio da queda será de mais de 90%, enfatiza o estudo. Outra justificativa para a queda de receita é queda real de 53,9% no ARPU (receita média por usuário) do primeiro trimestre de 2009 ao segundo trimestre de 2015. Uma redução média de 3% por trimestre. Esse fenômeno se deve ao fato de que houve um acentuado crescimento da base de usuários e um aumento pouco significativo da ROL (Receita Operacional Líquida). Considerando preços correntes, essa queda foi de 34,54%, diz a Anatel.

Em relação ao número de linhas ativas, o estudo ressalta que enquanto o ano de 2014 registrou crescimento do número de acessos  de 3,55%, em 2015 foi constatada uma contração do número total de acessos de 8,17%. "Isso pode ser evidência de um processo de amadurecimento do SMP no Brasil", avaliam os técnicos.

Essa redução também pode ser explicada por alguns fatores, segundo a Anatel. Entre eles, a redução do valor de uso de rede móvel (VU-M), a interconexão móvel, o que reduz o incentivo a ao usuários ter mais de um chip, bem como o cenário econômico e as alterações do comportamento do uso do usuário, que passa a privilegiar o uso de dados mediante aplicações do tipo over the top (OTT).

COMENTÁRIOS

1 Comentário

  1. Luiz Carlos Ribeiro de Oliveira disse:

    Não consegui ver o relatório. Meu entendimento é que a redução da VU-M pode ter contribuído para a redução da receita das operadoras que tem maior tráfego entrante, porém, reduziu na mesma proporção o custo das operadoras que pagam a VU-M. Portanto, me parece que a VU-M teve pouca influência no resultado geral das empresas.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

Principal encontro independente de debate e reflexão sobre políticas setoriais dos setores de telecomunicações e Internet. Organizado há 17 edições pela TELETIME e pelo Centro de Estudos de Políticas de Comunicações da Universidade de Brasília (CCOM/UnB), o evento congrega reguladores, formuladores de políticas, acadêmicos, empresas e analistas para um debate aberto sobre os temas mais relevantes e que serão referência ao longo do ano. Em 2018, estão em discussão uma agenda possível para o setor, o impacto do cenário eleitoral sobre as telecomunicações, a atuação  do Congresso Nacional sobre as políticas do setor de telecomunicações e Internet e as referências regulatórias internacionais.

20 de Fevereiro
, ,
EVENTOS

Principal encontro independente de debate e reflexão sobre políticas setoriais dos setores de telecomunicações e Internet

20 de Fevereiro
 
Top