OUTROS DESTAQUES
Espectro
TIM começa a fazer refarming em 2,1 GHz para LTE
quarta-feira, 09 de Maio de 2018 , 11h55

A TIM planeja evoluir na cobertura LTE por meio da expansão do refarming. Desde 2016, a companhia migra capacidade na faixa de 1.800 MHz de 2G para 4G, mas essa não será a única frequência. "Estamos no próximo passo, começamos o refarming de 2,1 GHz, usado atualmente em 3G", confirmou o CTO da operadora, Leonardo Capdeville, durante teleconferência de resultados nesta quarta-feira, 9.

Além de obter uma eficiência espectral melhor, o plano da TIM é também facilitar a migração do cliente para a tecnologia mais recente – e, com isso, mais receita de dados. "Estamos pegando a oportunidade para levar mais consumidor à 4G. Não é só de 2G para 4G, mas também de 3G para 4G", afirma Capdeville.

Há exatos dez anos, a TIM começou a ofertar o serviço 3G na faixa de 2,1 GHz no Rio de Janeiro e em São Paulo, embora já operasse com a tecnologia na frequência de 850 MHz nas regiões metropolitanas de Belo Horizonte, Curitiba, Recife, Florianópolis, Fortaleza e Salvador. Na época do leilão do espectro em 2007, a Anatel disponibilizou blocos de 10 MHz + 10 MHz e de 15 MHz + 15 MHz. Ainda não está claro qual será a parcela da capacidade dedicada ao refarming para LTE na operadora.

Segundo informações de abril deste ano da associação global de fornecedores móveis, a GSA, pouco mais de 50 redes no mundo utilizam a faixa de 2,1 GHz para LTE. Ela é a sexta frequência mais usada, atrás das faixas de 1.800 MHz, 800 MHz, 2,6 GHz, 700 MHz e AWS.

Desligamento de 2G

O plano não significa que a empresa já esteja com planos concretos de desligamento da rede GSM no Brasil. Conforme explicou o CTO da operadora, a questão é muito menos ligada à infraestrutura da empresa em si, e muito mais na base e no handset que os clientes utilizam. "A oportunidade de desligar a 2G é interessante não apenas para evitar custo, mas também para levar o consumidor para o novo mundo dos dados. Mas acho que a parte mais sensível é mais relacionada ao dispositivo do que do lado da infraestrutura", declara.

No ano passado, Capdeville estimava que a tecnologia 2G ainda sobreviveria no País por "cinco ou seis anos". Na época, ele já havia indicado interesse no refarming das frequências de 2,1 GHz e de 850 MHz.

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

O Painel TELEBRASIL, mais tradicional encontro de posicionamento do setor de telecomunicações, discutirá em 2018 os rumos da indústria depois do ciclo de sucesso completado com os 20 anos da privatização do sistema estatal de telecomunicações. A realidade da Internet das Coisas, a chegada da tecnologia de 5G, a necessidade um ambiente mais flexível e dinâmico para os investimentos essenciais a esta nossa etapa e um modelo preparado para o futuro são alguns dos desafios em debate, com presença dos presidentes das principais empresas prestadoras de serviços e provedoras de tecnologias, além de autoridades, reguladores e especialistas.
Em sua edição de número 62, o Painel TELEBRASIL 2018 ganha um dia a mais de debates, com mais espaço e oportunidades para a troca de informações, relacionamento e atualização, tanto para profissionais da indústria quanto para reguladores e formuladores de políticas, que têm acesso gratuito ao evento (mediante inscrição prévia). É o espaço em que as principais lideranças da indústria marcam posição em relação a estratégias, tecnologias e políticas públicas neste novo ciclo.

22 de Maio a 24 de Maio
Royal Tulip Brasilia Alvorada, DF, Brasil
EVENTOS

Evento oficial da Associação Brasileira de Empresas de Telecomunicações, o Painel TELEBRASIL, mais tradicional encontro de posicionamento do setor. É o espaço em que as principais lideranças da indústria marcam posição em relação a estratégias, tecnologias e políticas públicas.

22 de Maio a 24 de Maio
Royal Tulip Brasilia Alvorada, DF, Brasil
Top