OUTROS DESTAQUES
Estratégia
Projeto de geração energética da Oi quer compensar consumo de antenas
sexta-feira, 09 de Março de 2018 , 17h31

Na metade de fevereiro, a Oi apresentou o projeto de iniciar a geração de energia elétrica a partir de fazendas solares em Minas Gerais a partir de novembro deste ano. A ideia é produzir um excedente de energia por meio das fazendas de captação solar, o que permitirá à empresa fazer a compensação de seu consumo nas unidades no Estado de Minas Gerais, conforme regra estabelecida pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) do final de 2016. E isso é especialmente adequado para reduzir a pegada energética em regiões mais afastadas.

Segundo explicou a este noticiário o diretor de patrimônio e logística da empresa, Marco Antonio Vilela, o modelo é justamente para compensar a energia consumida em antenas do serviço móvel. "A gente tem diversos equipamentos, não dá para cravar que as antenas são as que consomem mais, mas quando a gente olha lá, vemos que há um consumo significativo. E como são afastadas, não consigo fazer programas de eficiência clássicos como climatização e troca de lâmpadas", declara. Assim, a geração pode compensar o consumo dessas estações radiobase mais afastadas.

Mas a Oi não conta apenas essa estratégia para economizar no consumo. O próprio uso do refarming no espectro de 1.800 MHz, que está sendo realocado para a tecnologia LTE, traz uma série de benefícios para a empresa. Isso porque a prática muitas vezes exige modernização de equipamentos, que acabam apresentando consumo menor de energia. Além disso, a faixa tem uma penetração maior do que a da frequência de 2,5 GHz, o que resulta em menos sites novos para oferecer a mesma cobertura (e qualidade de rede), o que também, obviamente, reduz o consumo. De bônus, a 4G já apresenta uma melhor eficiência espectral.

Na avaliação de Vilela, considerando o conjunto de unidades consumidoras com as quais a Oi vai atender com as usinas fotovoltaicas em Minas Gerais com o projeto, a taxa de economia e custos fica entre 20% e 35%. "Depende muito da distribuidora, e do perfil de consumo", declara, citando ainda a volatilidade da tarifa, que causa essa oscilação na estimativa.

Benefício local

Segundo as regras da Aneel, o que é gerado tem que ir à mesma distribuidora. Por isso, e por considerar o local propício para a construção das usinas solares, a iniciativa terá o pontapé na operação mineira. "Temos planejamento estratégico de novas usinas até 2021, totalizando 22 novas usinas, e podendo ser mais, ficamos observando o que pode mudar e as oportunidades do setor", declara. Ele se refere à consulta pública realizada pelo Ministério de Minas e Energia, que promete um novo marco regulatório para o setor elétrico. "Pode fazer com que a gente acelere o cronograma, manha ou mesmo que a gente precise revisitar o planejamento estratégico para capturar novas oportunidades."

Desde o lançamento do plano de eficiência energética em 2015, a Oi afirma ter aumentado o consumo de energia limpa de fontes renováveis e vendida a preços mais baratos do que a eletricidade comum. Em dois anos, a participação do consumo de energia limpa passou de 15,8% do total para 22,4% na operadora. A meta é de chegar a R$ 428 milhões de economia de 2015 até 2019, quando o percentual de uso de energia limpa almejado será de 42,5%.

"A gente já tem capturado metade do plano", afirma Vilela. "Estamos sempre olhando o mercado livre e a geração distribuída. E, conforme mudem as regras, podemos acelerar", diz.

A estratégia não está focada apenas em energia solar, contudo. O diretor da Oi afirma que o plano de expansão prevê outras tecnologias, como geração eólica, biogás e "pequenas centrais hidrelétricas". A ideia é não colocar todos os ovos em uma mesma cesta, diversificando a matriz energética. "Como a Oi está em todos os estados, pode ser que em um determinado local uma  outra fonte seja mais vantajosa sobre a ótica de eficiência energética", explica.

Para o futuro, a companhia planeja também iniciativas com smart grids. Atualmente, a Oi já conta com abordagens voltadas para setor de águas e saneamento, mas considera que o projeto será usado futuramente para construir uma suíte, que depois será transformada em oferta ao mercado.

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

O Painel TELEBRASIL, mais tradicional encontro de posicionamento do setor de telecomunicações, discutirá em 2018 os rumos da indústria depois do ciclo de sucesso completado com os 20 anos da privatização do sistema estatal de telecomunicações. A realidade da Internet das Coisas, a chegada da tecnologia de 5G, a necessidade um ambiente mais flexível e dinâmico para os investimentos essenciais a esta nossa etapa e um modelo preparado para o futuro são alguns dos desafios em debate, com presença dos presidentes das principais empresas prestadoras de serviços e provedoras de tecnologias, além de autoridades, reguladores e especialistas.
Em sua edição de número 62, o Painel TELEBRASIL 2018 ganha um dia a mais de debates, com mais espaço e oportunidades para a troca de informações, relacionamento e atualização, tanto para profissionais da indústria quanto para reguladores e formuladores de políticas, que têm acesso gratuito ao evento (mediante inscrição prévia). É o espaço em que as principais lideranças da indústria marcam posição em relação a estratégias, tecnologias e políticas públicas neste novo ciclo.

22 de Maio a 24 de Maio
Royal Tulip Brasilia Alvorada, DF, Brasil
EVENTOS

Evento oficial da Associação Brasileira de Empresas de Telecomunicações, o Painel TELEBRASIL, mais tradicional encontro de posicionamento do setor. É o espaço em que as principais lideranças da indústria marcam posição em relação a estratégias, tecnologias e políticas públicas.

22 de Maio a 24 de Maio
Royal Tulip Brasilia Alvorada, DF, Brasil
Top