OUTROS DESTAQUES
TV por assinatura
Grupo América Móvil reposiciona Claro TV e espera estancar perda de base
quarta-feira, 08 de junho de 2016 , 20h38

O grupo América Móvil está, aos poucos, reposicionando seu produto de TV por assinatura via satélite (Claro TV) e pretende deixá-lo mais alinhado com o serviço de TV a cabo, focando-o nos segmentos econômicos que hoje têm condições efetivas de pagar pelo serviço, e não necessariamente nos segmentos de menor renda, que foram os principais compradores do DTH nos últimos anos. A chave para isso foi a entrada em operação do novo satélite StarOne C4, com capacidade para uma quantidade bem maior de canais HD (hoje a Claro HD é a operadora com mais canais pagos em HD) e, agora, uma oferta combinada com produtos oferecidos pela rede móvel da Claro móvel, incluindo banda larga 4G, telefonia móvel e eventualmente até telefone fixo pela rede celular.

Segundo José Félix, presidente do grupo América Móvil, o DTH do grupo perdeu assinantes por dois motivos: um impacto mais forte da crise econômica sobre o segmento de menor renda, que era o foco principal da unidade de negócios, e um reposicionamento que está sendo feito desde a fusão das diferentes empresas do grupo. "Por ser o segmento de renda D, E e C mais suscetível à crise, estamos sofrendo mais no DTH, mas esperamos que em logo a gente consiga retomar a estabilidade e retomar o crescimento. E estamos reposicionando a Claro TV para um segmento de população que demande um outro tipo de serviço", diz Felix.

Ele lembra que a Claro HD é hoje a empresa que tem o maior número de canais em alta definição. "Temos hoje a melhor TV por assinatura no satélite também, além do cabo, e nossa ambição para essa unidade de negócio é bem grande. Estamos trabalhando em conjunto com a Claro para ampliar os canais de venda dessa unidade de serviço", explica.

Queda

Uma eventual retomada do crescimento da Claro TV tem potencial de ajudar inclusive a estancar a queda da TV paga como um todo. Depois de liderar, ao lado da Sky, a forte expansão da TV por assinatura no final da década passada e começo da década atual, a Claro TV inverteu a mão. Desde o final de 2014, a operadora foi a que mais puxou para baixo o crescimento da TV por assinatura. A queda entre novembro de 2014, quando chegou ao ápice de 3,78 milhões de clientes, e o último número de abril deste ano (2,58 milhões), foi de nada menos do que 1,2 milhão de clientes. No mesmo período, o mercado como um todo perdeu 908 mil assinantes, pois outras operadoras (inclusive a Net) cresceram no período. A Claro TV vem perdendo em 2016 entre 30 mil e 40 mil clientes por mês desde o começo do ano, um ritmo menor do que perdia em 2015, quando via sua base erodir cerca de 70 mil clientes ao mês, sobretudo nos últimos nove meses do ano. Mas segundo fontes do mercado, a operadora começa a dar sinais de estabilização nesse final do semestre, o que pode trazer uma boa notícia para toda a indústria, caso a situação de outras operadoras não se deteriore.

COMENTÁRIOS

5 Comentários

  1. Johnny disse:

    Ótima decisão que foi tomada porém seria bom se a operadora não abadona-se as famílias de baixa renda e sim fizessem uma repaginação do Claro TV Livre com novos pacotes com opções de Recarga como 6 e 12 meses como a SKY faz e com canais em HD desde o pacote básico até o top.

  2. Frank disse:

    Concordo com Johnny acho q tem muito mercado para claro livre principalmente se tivesse opção. De canais HD na claro livre

  3. Lais r de lima disse:

    A claro hdtv quer o foco nas classes B e A, mas só quer oferecer pontos extras grátis em SD,enquanto a Sky oferece todos em HD, essas classes não estão mas na era SD.

  4. Rafael disse:

    O problema da Claro sao seus sistemas de atendimentos, os piores do mercado, há uma falta de respeito grande.

  5. Joao R Silva disse:

    Claro TV desde que passou a ter gestão junto com a NET, esta discriminado clientes de baixa renda, inclusive não permitindo a instalação quando a casa do cliente for simples ou se o mesmo não tiver certos bens dentro da residência, exemplo moradores da periferia e não em bairros nobres. Meu irmão que tem nome limpo, teve o pedido de instalação negado por morar em uma área de loteamento novo e casa simples mas boa, por ainda não ter comprovante de endereço, devido se tratar de moradia nova, e a SKY instalou normalmente para ele.
    Um absurdo esse tipo de comportamento… perderão ainda mais clientes para a concorrência, com esse tipo de postura, o que é passivo de dano moral.
    Esse é o efeito de visar somente lucro, mascarando na mídia com pose de um excelente tratamento na ponta, mas no fundo sendo que estão escolhendo os clientes.
    Lamentável atitude de uma Empresa desse porte e uma falta de respeito com o consumidor.
    Pois nenhuma operadora tem poder de decidir se o cliente tem ou não condições de pagar uma fatura apenas por levar em consideração o tipo de sua moradia…que não ofereça o produto então.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

Principal encontro independente de debate e reflexão sobre políticas setoriais dos setores de telecomunicações e Internet. Organizado há 17 edições pela TELETIME e pelo Centro de Estudos de Políticas de Comunicações da Universidade de Brasília (CCOM/UnB), o evento congrega reguladores, formuladores de políticas, acadêmicos, empresas e analistas para um debate aberto sobre os temas mais relevantes e que serão referência ao longo do ano. Em 2018, estão em discussão uma agenda possível para o setor, o impacto do cenário eleitoral sobre as telecomunicações, a atuação  do Congresso Nacional sobre as políticas do setor de telecomunicações e Internet e as referências regulatórias internacionais.

20 de Fevereiro
, ,
EVENTOS

Principal encontro independente de debate e reflexão sobre políticas setoriais dos setores de telecomunicações e Internet

20 de Fevereiro
 
Top