OUTROS DESTAQUES
Novo Modelo
PLC 79 é inconstitucional e precisa da lista de bens reversíveis, diz Proteste
terça-feira, 08 de Maio de 2018 , 18h28

O PLC 79/2016, que altera o marco legal de telecomunicações, tem inconstitucionalidades e precisa ser discutido sem pressa, após um cálculo preciso da valorização dos bens reversíveis. A posição foi defendida pela conselheira da Associação Brasileira de Defesa do Consumidor – Proteste, Flávia Lefèvre, durante audiência na Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado nesta terça-feira, 8. A representante da entidade voltou a alegar que os bens reversíveis teriam sido subvalorizados – o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações falou em R$ 17,2 bilhões durante a audiência.

Lefèvre diz que a Anatel e o antigo Ministério das Comunicações levantaram em 2013 o valor presente líquido para as redes de acesso na ordem de R$ 64,2 bilhões. Somado ao VPL de R$ 7,6 bilhões da rede de transporte, o valor total ficaria em R$ 71,9 bilhões, pelo menos na época. "Estamos falando de redes no Brasil inteiro e de obras de engenharia civil, como dutos e redes chegando à casa do consumidor. É difícil falar de R$ 17 bilhões, e essas redes são responsáveis por aproximadamente 50% do tráfego de dados no País, segundo dados do Cetic.br", declara a advogada da Proteste. A legislação atual fala que os bens reversíveis são aqueles necessários à prestação do serviço de voz, mas a interpretação de como se classificariam as redes que têm uso misto é controvertida. Por esta razão, o PLC 79 procura deixar mais claro que apenas a parcela das redes dedicadas à telefonia fixa seria reversível.

Para Lefèvre, o correto seria que , antes de tudo, seja fornecido uma lista de bens reversíveis "para a gente auferir qual o patrimônio em jogo". A Proteste entrou com uma Ação Civil Pública em 2011 que diz que há necessidade de garantir essa lista nos contratos de concessão. Em fevereiro deste ano, a decisão foi confirmada em acórdão no Tribunal Regional Federal, que rejeitou apelação da União e da Anatel.

Preocupação com a Anatel

A entidade ressalta também as preocupações levantadas pelo Tribunal de Contas da União, que identificou que a Anatel não teria condições de fiscalização para garantir a regulação das concessionárias e nem atuar no equilíbrio econômico-financeiro. "As diretrizes para migração dos contratos têm problemas graves, sérios, e que lesam o patrimônio público e a sociedade brasileira", afirma

Flávia Lefèvre lembra ainda de uma nota técnica da agência de dez anos atrás, na época da alteração da Lei de Orçamento e da incorporação da Brasil Telecom pela Oi. "A gente tem saldos não resolvidos em favor da concessão, o mais recente de R$ 3,5 bilhões reconhecidos pela própria Anatel, que aconteceu em 2008 com a troca de obrigações de postos de serviços de telecomunicações por rede de backhaul de banda larga." Segundo ela, 80% do total desses recursos foi utilizado para financiamento de serviço prestado em regime privado. "Por essa e outras razões que o TCU, ao analisar os riscos, já apontou o descontrole [da Anatel] pelo aspecto da regulação econômica dos contratos, e destacou no acórdão 3311/2015 uma série de problemas no controle dos bens reversíveis", declara.

Ainda no entendimento da representante da Proteste, o PLC 79 é inconstitucional porque determina que, na migração, a empresa poderia explorar serviços essenciais sem obrigações de universalização. "O que contraria, no nosso modo de ver, a Constituição Federal", afirma, citando ainda o Marco Civil da Internet ao justificar que o acesso à banda larga também é considerado serviço essencial, ainda que o MCI não a classifique como um serviço público, como fez a LGT com a telefonia fixa.

Lefèvre coloca que o Poder Executivo poderia agir via decreto para destravar a possibilidade de uso do Fust e Funttel para investimentos em suporte de acesso à Internet. Segundo ela, a mudança na LGT "pode e deve ser feita, mas em um ambiente mais tranquilo, com base mais aprofundadas e com informações que hoje não temos" – ou seja, o valor real dos bens reversíveis. Propõe não haver mais a proibição de subsídio cruzado, permitindo que parte da receita possa ser aplicada em políticas públicas de inclusão digital, e a previsão de normas que estimulem redes comunitárias.

COMENTÁRIOS

1 Comentário

  1. José Roberto de Souza Pinto disse:

    Em vários momentos tenho me manifestado a favor da revisão da LGT, e em particular na mudança do STFC do regime público para o privado, com extremos cuidados para não deixar áreas desatendidas de serviços de telecomunicações. Entretanto a definição das regras sobre os bens reversiveis e a sua lista é cálculo mesmo que como definição preliminar deve ser anterior a qualquer mudança no modelo de modo a evitar a judicialização, que é péssima para todos e prejudicial à sociedade como um todo.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

O Painel TELEBRASIL, mais tradicional encontro de posicionamento do setor de telecomunicações, discutirá em 2018 os rumos da indústria depois do ciclo de sucesso completado com os 20 anos da privatização do sistema estatal de telecomunicações. A realidade da Internet das Coisas, a chegada da tecnologia de 5G, a necessidade um ambiente mais flexível e dinâmico para os investimentos essenciais a esta nossa etapa e um modelo preparado para o futuro são alguns dos desafios em debate, com presença dos presidentes das principais empresas prestadoras de serviços e provedoras de tecnologias, além de autoridades, reguladores e especialistas.
Em sua edição de número 62, o Painel TELEBRASIL 2018 ganha um dia a mais de debates, com mais espaço e oportunidades para a troca de informações, relacionamento e atualização, tanto para profissionais da indústria quanto para reguladores e formuladores de políticas, que têm acesso gratuito ao evento (mediante inscrição prévia). É o espaço em que as principais lideranças da indústria marcam posição em relação a estratégias, tecnologias e políticas públicas neste novo ciclo.

22 de Maio a 24 de Maio
Royal Tulip Brasilia Alvorada, DF, Brasil
EVENTOS

Evento oficial da Associação Brasileira de Empresas de Telecomunicações, o Painel TELEBRASIL, mais tradicional encontro de posicionamento do setor. É o espaço em que as principais lideranças da indústria marcam posição em relação a estratégias, tecnologias e políticas públicas.

22 de Maio a 24 de Maio
Royal Tulip Brasilia Alvorada, DF, Brasil
Top