OUTROS DESTAQUES
Nova Oi
Pharol diz que não indicou membros do conselho da Oi afastados
quinta-feira, 08 de março de 2018 , 14h38

Em resposta à decisão do juiz do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro Fernando Viana, que afastou diretores que seriam ligados à Pharol e à Société Mondiale do conselho da Oi na noite da quarta-feira, 7, a acionista portuguesa comentou que não indicou nenhum membro para o conselho transitório por meio de sua subsidiária, a Bratel. Em fato relevante divulgado nesta quinta, 8, a Pharol destaca que a indicação dos conselheiros para esse modelo transitório foi do próprio presidente da Oi, Eurico Telles, e do diretor financeiro, Carlos Augusto Brandão. Assim, declara que a divulgação de que os membros do conselho afastados teriam ligação com a Bratel/Pharol é chamada de "informação não verdadeira", e revela que as medidas "serão objeto de tratamento em sede própria".

A Pharol afirma ainda que, pelo entendimento de seus assessores legais, tomará "todas as medidas adequadas para que prevaleça a legislação societária e processual em vigor no Brasil", e que cabe aos árbitros decidir a jurisdição para solucionar conflitos. No entendimento da companhia portuguesa, não se pode penalizar "legítimos interesses de todos os 'stakeholders' da Oi no melhor interesse da sociedade".

Confira abaixo na íntegra o comunicado.

PHAROL informa sobre o Teor da Decisão do Juízo da 7ª Vara Empresarial da Comarca do Estado do Rio de Janeiro

Nos termos do artigo 248.º do Código dos Valores Mobiliários, a PHAROL, SGPS S.A. ("PHAROL") comunica o que tomou conhecimento, nesta data, de decisão do Juízo da 7ª Vara Empresarial da Comarca do Estado do Rio de Janeiro que determinou (a) a suspensão dos direitos políticos da sua subsidiária BRATEL S.À.R.L. ("Bratel"), (b) o afastamento de membros do Conselho de Administração que supostamente teriam sido eleitos e indicados pela Bratel e (c) a manifestação a respeito do interesse na instauração de procedimento de mediação.

A Oi S.A. – em Recuperação Judicial ("Oi") cita ainda em seu Fato Relevante de 7 de março de 2018 nomes de Membros do Conselho de Administração que seriam afastados dos seus cargos "por conta da decisão". Tal informação não é verdadeira e não corresponde com o conteúdo da decisão judicial proferida na medida em que os referidos Conselheiros estão atualmente no Conselho por escolha unilateral dos Diretores Eurico Telles e Carlos Augusto Brandão, os únicos responsáveis pela elaboração do Plano de Recuperação Judicial, apresentado sem a anuência ou aprovação do Conselho de Administração ou dos Acionistas.

Nesse sentido, a Pharol informa que jamais indicou e sequer foi consultada para indicar qualquer nome ao Conselho Transitório da Oi mencionado no Plano de Recuperação Judicial e que a divulgação de informação não verdadeira ao mercado e a eventual implementação de tais medidas serão objeto de tratamento em sede própria.

A Pharol informa que, seguindo o melhor entendimento dos seus assessores legais, adotará todas as medidas adequadas para que prevaleça a legislação societária e processual em vigor no Brasil que prestigia a arbitragem como método de resolução de conflito e adota o princípio da competência-competência, segundo o qual cabe aos árbitros decidir sobre sua jurisdição para solucionar os conflitos que lhes são submetidos. Também não se poderia penalizar – por ausência de fundamento legal e violação ao direito constitucional de ação – a propositura de procedimento arbitral previsto no Estatuto Social, a fim de defender legítimos interesses de todos os "stakeholders" da OI no melhor interesse da sociedade.

A Pharol reitera o seu compromisso de encontrar uma solução atempada e equilibrada para todos os envolvidos no processo de recuperação judicial da Oi, no melhor interesse da Oi e, reflexamente, de todos os Investidores da Pharol.

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

O mercado de TV por assinatura mudou. Operadores, programadores e canais se adaptam a um novo tempo em que a não-linearidade, a distribuição multiplataforma e novas formas de engajamento e interação entre telespectadores e conteúdos passa a ser a regra. Neste evento, uma reflexão sobre o presente e o futuro da indústria no Brasil, seus principais desafios, os caminhos que estão surgindo, as principais inovações e as tendências globais mais relevantes. Um evento organizado com a expertise e a curadoria editorial das publicações TELA VIVA, PAY-TV e TELETIME. Mais informações pelo email eventos@teletime.com.br

30 de julho a 31 de julho
WTC Events Center – São Paulo, SP, SP, Brasil
EVENTOS

O mercado de TV por assinatura mudou. Operadores, programadores e canais se adaptam a um novo tempo em que a não-linearidade, a distribuição multiplataforma e novas formas de engajamento e interação entre telespectadores e conteúdos passa a ser a regra. Neste evento, uma reflexão sobre o presente e o futuro da indústria no Brasil, seus principais desafios, os caminhos que estão surgindo, as principais inovações e as tendências globais mais relevantes. Um evento organizado com a expertise e a curadoria editorial das publicações TELA VIVA, PAY-TV e TELETIME.

30 de julho a 31 de julho
WTC Events Center – São Paulo, SP, SP, Brasil
Top