OUTROS DESTAQUES
Mensageria
América Móvil, Telefônica e Oi terão RCS do Google
quinta-feira, 07 de dezembro de 2017 , 17h47 | POR FERNANDO PAIVA, DO MOBILE TIME

O Google anunciou hoje um passo importante na sua estratégia de consolidar o padrão de mensageria RCS entre as operadoras móveis na América Latina. A empresa confirmou que chegou a um acordo com quatro grupos que atuam na região para a adoção dessa tecnologia usando a sua solução: América Móvil, Telefônica, Oi e AT&T. Vale lembrar que as duas primeiras são donas da Claro e da Vivo, respectivamente, e representam os dois maiores grupos de telefonia móvel na região. O acordo com a norte-americana AT&T se refere à sua operação no México.

A primeira a adotar o RCS do Google é a Telcel, operadora da América Móvil, no México. No Brasil, a expectativa é de que pelo menos uma das três mencionadas consiga lança já no primeiro trimestre de 2018, conforme antecipado recentemente por MOBILE TIME.

O RCS é um novo padrão para o envio de mensagens multimídia pela rede das operadoras celulares, substituindo os atuais sistemas de SMS e de MMS. Para o usuário final o funcionamento se assemelha àquele dos aplicativos over the top de mensagens: permite, por exemplo, a troca de fotos, de vídeos, de áudios, de gifs animados, além de informar se o destinatário recebeu e se leu a mensagem. No caso do Google, o serviço funciona por meio de um app chamado Android Mensagens (Android), que já vem embarcado em muitos aparelhos Android e pode ser baixado pela Google Play. Vale lembrar que a Apple ainda não adaptou o iMessage, seu app de mensagens, para RCS.

A2P

Com o RCS, é esperada uma revolução principalmente na comunicação móvel entre marcas e consumidores, que hoje acontece por SMS. A evolução para o RCS permitirá que as marcas enriqueçam esse contato, incluindo imagens e vídeos nas mensagens, além de seu logotipo e nome no remetente, em vez de um número de large account. Uma companhia aérea, por exemplo, poderia enviar o cartão de embarque para o passageiro. As operadoras móveis também poderão melhorar a comunicação com seus assinantes nos diversos contatos que fazem, como quando acaba a franquia de dados ou na oferta de serviços de valor adicionado (SVA).

Vários integradores de SMS da América Latina vêm testando o RCS junto com o Google, como Movile, Take e Zenvia. O modelo de negócios com os integradores e o preço das mensagens A2P (Application to Peer) ainda não foram definidos, contudo.

Em sua solução de RCS, é o Google quem cuida do roteamento das mensagens, através do Jibe Hub, uma plataforma fora da rede das operadoras, mas integrada a estas. A vantagem é que as teles não precisam realizar um investimento em sistemas de RCS. Na verdade, sequer precisam pagar pelo uso do Jibe Hub para o Google, ao menos por enquanto. A ideia é realizar testes gratuitos com serviços A2P por até 12 meses, informa uma fonte.

De acordo com a mais recente pesquisa Panorama Mobile Time/Opinion Box sobre mensageria no Brasil, 55% dos internautas brasileiros com smartphone declaram que recebem SMS todo dia ou quase todo dia. E 58% afirmam que recebem mais mensagens de empresas que de pessoas.

Análise

Alguns pontos para reflexão:

1) O acordo com quatro grandes grupos, incluindo os dois maiores da América Latina, fortalece o posicionamento do Google nesse serviço e deve facilitar a adesão de outras teles.

2) O Google e as operadoras parceiras precisam correr contra o tempo, ou melhor, contra o WhatsApp. O serviço de mensageria over the top (OTT) é o seu maior adversário, por ser o mais popular do gênero na América Latina. Hoje, o WhatsApp está disponível apenas para troca de mensagens entre usuários, mas há poucos meses começou a testar uma solução de contas verificadas para empresas. Se essa solução for lançada oficialmente para todo o mercado é esperado que muitas marcas abandonem ou diminuam drasticamente o uso do SMS e migrem para o WhatsApp. Ou seja, Google e teles precisam implementar o RCS o quanto antes para terem mais chance nessa disputa. Timing é crucial.

3) Em conversas informais, notava-se alguma resistência por parte de operadoras em entregar a operação do RCS para o Google e ter que dividir com a empresa a receita A2P. Pelo visto, a resistência foi quebrada. Mas ainda falta desenhar o modelo de negócios e o preço das mensagens.

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

O Painel TELEBRASIL, mais tradicional encontro de posicionamento do setor de telecomunicações, discutirá em 2018 os rumos da indústria depois do ciclo de sucesso completado com os 20 anos da privatização do sistema estatal de telecomunicações. A realidade da Internet das Coisas, a chegada da tecnologia de 5G, a necessidade um ambiente mais flexível e dinâmico para os investimentos essenciais a esta nossa etapa e um modelo preparado para o futuro são alguns dos desafios em debate, com presença dos presidentes das principais empresas prestadoras de serviços e provedoras de tecnologias, além de autoridades, reguladores e especialistas.
Em sua edição de número 62, o Painel TELEBRASIL 2018 ganha um dia a mais de debates, com mais espaço e oportunidades para a troca de informações, relacionamento e atualização, tanto para profissionais da indústria quanto para reguladores e formuladores de políticas, que têm acesso gratuito ao evento (mediante inscrição prévia). É o espaço em que as principais lideranças da indústria marcam posição em relação a estratégias, tecnologias e políticas públicas neste novo ciclo.

22 de Maio a 24 de Maio
Royal Tulip Brasilia Alvorada, DF, Brasil
EVENTOS

Evento oficial da Associação Brasileira de Empresas de Telecomunicações, o Painel TELEBRASIL, mais tradicional encontro de posicionamento do setor. É o espaço em que as principais lideranças da indústria marcam posição em relação a estratégias, tecnologias e políticas públicas.

22 de Maio a 24 de Maio
Royal Tulip Brasilia Alvorada, DF, Brasil
Top