OUTROS DESTAQUES
Retorno financeiro de 2,5G ainda não compensa, avalia operadora
quinta-feira, 07 de Fevereiro de 2002 , 20h44 | POR REDAÇÃO

Carlos Boschetti, ao reafirmar a intenção da BCP de não optar pela migração para a 2,5G por enquanto, diz que estudo realizado pela operadora no ano passado revelou que para recuperar os investimentos feitos numa rede de 1xRTT, com cobertura de boa qualidade nos sete principais bairros de São Paulo, além das regiões do aeroporto de Guarulhos e do ABC, seriam necessários no mínimo 100 mil adesões ao serviços em seis meses, uma meta considerada impossível. Também revelou que a receita obtida com serviços WAP da empresa atingem apenas 5% do custo de manutenção da rede. Por estas razões, em vez de priorizar investimentos na transmissão de dados, nos próximos anos a empresa pretende continuar a apostar em serviços agregados ao de voz, como SMS, reconhecimento de voz e voice mail, entre outros, como forma de aumento de receita.

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

Principal encontro independente de debate e reflexão sobre políticas setoriais dos setores de telecomunicações e Internet. Organizado há 17 edições pela TELETIME e pelo Centro de Estudos de Políticas de Comunicações da Universidade de Brasília (CCOM/UnB), o evento congrega reguladores, formuladores de políticas, acadêmicos, empresas e analistas para um debate aberto sobre os temas mais relevantes e que serão referência ao longo do ano. Em 2018, estão em discussão uma agenda possível para o setor, o impacto do cenário eleitoral sobre as telecomunicações, a atuação  do Congresso Nacional sobre as políticas do setor de telecomunicações e Internet e as referências regulatórias internacionais.

20 de Fevereiro
Auditório Finatec, DF, Brasil
EVENTOS

Principal encontro independente de debate e reflexão sobre políticas setoriais dos setores de telecomunicações e Internet

20 de Fevereiro
Auditório Finatec, DF, Brasil
Top