OUTROS DESTAQUES
Crise da Oi
Oi deve apresentar novo plano com capitalização de no mínimo R$ 9 bilhões
sexta-feira, 06 de outubro de 2017 , 19h08

A reunião do conselho da Oi na quinta-feira, 5, pacificou as disputas internas e aprovou um novo plano de recuperação, que deverá ser apresentado na assembleia de credores no próximo dia 23. A proposta de capitalização agora é de no mínimo R$ 9 bilhões, segundo fonte próxima ao assunto, e estabelece diretrizes para aumentar o investimento anual da companhia com foco em novas tecnologias e modernização de rede.

A capitalização será dividida em R$ 6 bilhões em dinheiro novo, dos quais R$ 3,5 bilhões são de credores internacionais e R$ 2,5 bilhões de acionistas. Com a conversão da dívida em equity, serão adicionados mais R$ 3 bilhões. Assim, a ideia é reduzir a relação dívida/EBTIDA para 3x, preservando o caixa. O caixa de curto e médio prazo da companhia deve ser preservado.

O plano da Oi também prevê a ampliação de cerca de R$ 2 bilhões nos investimentos anuais no triênio 2018-2020, ficando em torno de R$ 7 bilhões por ano. Os recursos serão destinados à ampliação da cobertura LTE; a "projetos de digitalização" (como técnico virtual, além da própria digitalização da empresa); à área de TI; e à rede de fibra até residência (FTTH).

A Anatel estima que a empresa necessite de investimentos da ordem de R$ 10 bilhões ao ano para se manter competitiva, considerando que ela não tem a frequência na faixa de 700 MHz e isso deve fazer uma grande diferença na disputa pelo mercado de 4G. A expectativa é que, equalizada a dívida (o que ainda de uma resolução do impasse com o governo) e pacificada a relação entre credores e acionistas, seja mais fácil atrair um acionista com capacidade de investimento para completar o plano estratégico atual (Colaborou Samuel Possebon).

NOTÍCIAS RELACIONADAS
COMENTÁRIOS

1 Comentário

  1. Erick disse:

    A Oi tem tudo pra sair desse pesadelo mais forte, so precisa se entender com os acionistas.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

O mercado de TV por assinatura mudou. Operadores, programadores e canais se adaptam a um novo tempo em que a não-linearidade, a distribuição multiplataforma e novas formas de engajamento e interação entre telespectadores e conteúdos passa a ser a regra. Neste evento, uma reflexão sobre o presente e o futuro da indústria no Brasil, seus principais desafios, os caminhos que estão surgindo, as principais inovações e as tendências globais mais relevantes. Um evento organizado com a expertise e a curadoria editorial das publicações TELA VIVA, PAY-TV e TELETIME. Mais informações pelo email eventos@teletime.com.br

30 de julho a 31 de julho
WTC Events Center – São Paulo, SP, SP, Brasil
EVENTOS

O mercado de TV por assinatura mudou. Operadores, programadores e canais se adaptam a um novo tempo em que a não-linearidade, a distribuição multiplataforma e novas formas de engajamento e interação entre telespectadores e conteúdos passa a ser a regra. Neste evento, uma reflexão sobre o presente e o futuro da indústria no Brasil, seus principais desafios, os caminhos que estão surgindo, as principais inovações e as tendências globais mais relevantes. Um evento organizado com a expertise e a curadoria editorial das publicações TELA VIVA, PAY-TV e TELETIME.

30 de julho a 31 de julho
WTC Events Center – São Paulo, SP, SP, Brasil
Top