OUTROS DESTAQUES
Banda larga
Para Media Networks, mercado de banda ka deve ser explorado pelo segmento corporativo
quinta-feira, 06 de agosto de 2015 , 18h46

Leandro Gaunszer, country manager da Media Networks (que administra infraestrutura satelital no Brasil e que opera a capacidade de banda larga em banda ka do satélite Amazonas, da Hispasat), acredita que o mercado de banda larga via satélite no País deve ver o reposicionamento de prioridades, se tornando mais focado no mercado corporativo e no provimento de capacidade de backhaul. Como clientes, ele indica ter dois novos operadores que utilizarão essa capacidade. Os prestadores já contam com estrutura de rede e devem expandir a sua área de atuação com o satélite. O serviço deve ser oferecido majoritariamente para o mercado corporativo. "O custo do equipamento torna difícil lançar o serviço para o mercado residencial, mas o custo da assinatura para o consumidor final é competitivo", explica. Originalmente a Media Networks tinha um acordo de prover toda a sua capacidade com a empresa goiana ViaSat Brasil, mas o projeto não teve os resultados esperados e o acordo de exclusividade foi desfeito.

Além dos clientes da Media Networks, a Hughes prepara o lançamento de um serviço de banda ka, bem como a Brastrading (ex-acionista da ViaSat Brasil, possivelmente com a capacidade satelital em banda Ka da Eutelsat). A Star One (Embratel) terá capacidade em banda ka quando o satélite Star One D1 for lançado, no final de 2017, mesmo ano em que a Yahsat planeja ter serviços no País com a tecnologia. E, por fim, a Telebras terá capacidade em banda Ka quando seu satélite (SGDC) for lançado, em 2016.

O tema estará em discussão no Congresso Latinoamericano de Satélites, a ser realizado no Rio de Janeiro nos dias 15 e 16 de outubro. Mais informações pelo site www.teletime.com.br/eventos.

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

O mercado de TV por assinatura mudou. Operadores, programadores e canais se adaptam a um novo tempo em que a não-linearidade, a distribuição multiplataforma e novas formas de engajamento e interação entre telespectadores e conteúdos passa a ser a regra. Neste evento, uma reflexão sobre o presente e o futuro da indústria no Brasil, seus principais desafios, os caminhos que estão surgindo, as principais inovações e as tendências globais mais relevantes. Um evento organizado com a expertise e a curadoria editorial das publicações TELA VIVA, PAY-TV e TELETIME. Mais informações pelo email eventos@teletime.com.br

30 de julho a 31 de julho
WTC Events Center – São Paulo, SP, SP, Brasil
EVENTOS

O mercado de TV por assinatura mudou. Operadores, programadores e canais se adaptam a um novo tempo em que a não-linearidade, a distribuição multiplataforma e novas formas de engajamento e interação entre telespectadores e conteúdos passa a ser a regra. Neste evento, uma reflexão sobre o presente e o futuro da indústria no Brasil, seus principais desafios, os caminhos que estão surgindo, as principais inovações e as tendências globais mais relevantes. Um evento organizado com a expertise e a curadoria editorial das publicações TELA VIVA, PAY-TV e TELETIME.

30 de julho a 31 de julho
WTC Events Center – São Paulo, SP, SP, Brasil
Top