OUTROS DESTAQUES
Porquê a TCO está em queda
quarta-feira, 06 de Fevereiro de 2002 , 21h54 | POR REDAÇÃO

O analista de telecomunicações do Santander, Alexandre Gartner, explica em boletim especial para seus clientes porque as ações da Tele Centro Oeste Celular (TCO) vêm caindo tanto desde novembro. De fato, desde o final daquele mês o papel teve uma queda de cerca de 22%, enquanto o Ibovespa recuou 6,11% e o segmento de celulares 1,6%. Ele alinhava quatro razões, iniciando com a compra de mais R$ 147 milhões de commercial na base de CDI+1,5% por ano (20,5% anuais) contra taxas de mercado que vão de 24% a 25% ao ano. O própria analista, porém, não acredita que isso seja motivo de preocupação. "É muito baixa a possibilidade de que a Splice não honre essa dívida, dado o fato de que não se espera que um controlador ponha em risco a sua participação na TCO e a licença para operar". O boletim do Santander ainda aponta como causas da queda das ações da TCO os seguintes fatores:
A frustrada tentativa de aquisição da Telemig Celular e da Tele Norte Celular. A empresa teria acreditado que poderia comprar as duas operadoras a baixo preço, aproveitando as disputas entre o Opportunity e a TIW, principalmente com os problemas financeiros da segunda;
A decisão da Anatel de suspender os aumentos das operadoras, como a TCO, que contestaram os aumentos de tarifas concedidos pela agência;
Sinais de que os resultados do quarto trimestre foram fracos. O Santander espera uma queda da margem de EBITDA de 42,3% para 34,8%, em decorrência do aumento de subsídios para a compra de handsets e gastos com promoções. "A estratégia da TCO foi contra nossas expectativas para o segmento de celular como um todo, de aumentar a lucratividade mais do que promover o crescimento da base de assinantes", diz Alexandre Gartner. Mesmo assim, o analista mantém a recomendação de compra. O preço já estaria descontado demais.

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

Principal encontro independente de debate e reflexão sobre políticas setoriais dos setores de telecomunicações e Internet. Organizado há 17 edições pela TELETIME e pelo Centro de Estudos de Políticas de Comunicações da Universidade de Brasília (CCOM/UnB), o evento congrega reguladores, formuladores de políticas, acadêmicos, empresas e analistas para um debate aberto sobre os temas mais relevantes e que serão referência ao longo do ano. Em 2018, estão em discussão uma agenda possível para o setor, o impacto do cenário eleitoral sobre as telecomunicações, a atuação  do Congresso Nacional sobre as políticas do setor de telecomunicações e Internet e as referências regulatórias internacionais.

20 de Fevereiro
Auditório Finatec, DF, Brasil
EVENTOS

Principal encontro independente de debate e reflexão sobre políticas setoriais dos setores de telecomunicações e Internet

20 de Fevereiro
Auditório Finatec, DF, Brasil
Top