OUTROS DESTAQUES
ABTA 2014
Switch-off analógico deixará legado de 60 milhões de receptores, diz Band
terça-feira, 05 de agosto de 2014 , 22h27 | POR FERNANDO LAUTERJUNG

“Já temos um legado nesse processo transitório muito grande. Os brasileiros já compraram 60 milhões de receptores de TV que serão afetados”, disse Walter Ceneviva, vice-presidente executivo da Band, sobre o desligamento dos sinais analógicos de TV. Ele lembra que toda a base instalada de televisores digitais recebe sinais na faixa dos 700 MHz e que, portanto, sofrerão interferência no futuro dos serviços LTE (4G). “Há interferência. O regulamento não é de eliminação de interferência, mas de mitigação. Estamos impondo a 6% ou 7% dos lares a ficar sem TV por interferência”, completou o executivo durante um debate na ABTA 2014 nesta terça, 5, em São Paulo.

Segundo Marconi Maya, superintendente de outorga e espectro da Anatel, a interferência existe sempre em radiofrequência, inclusive intra-serviços. “A engenharia existe para resolver isso”. Ele lembrou que os beneficiários do Bolsa Família têm direito a receptor digital e filtro para mitigar a interferência. Alguns ainda terão direito ao filtro. “Os mais abastados podem se preparar pra este momento”, completou.

Para Ceneviva, não é possível que se considere a banda larga sem fio como prioridade em 4G. “A banda larga é prioritária, mas, sem fio e 4G é um absurdo. A banda larga tem se dado em condições pra lá de satisfatórias”, disse.

“Nós entendemos que é preciso seguir adiante, sem paralisações, mas com cuidado, sem impor ao brasileiro um serviço pago no lugar onde havia um serviço gratuito. Estamos cometendo um desatino”, finalizou.

Acessibilidade

Para a Abratel, que representa principalmente emissoras ligadas à Record, há uma questão a ser tratada entre a radiodifusão e as operadoras de TV paga. Segundo André Trindade, que representa a associação, as emissoras têm recebido reclamações sobre a falta do canal de audiodescrição, destinado aos deficientes visuais. Isto porque as operadoras não carregam este sinal com os canais de TV digital aberta. “Temos sido questionados inclusive judicialmente sobre isso, mas nós cumprimos a regra, as operadoras é que não cumprem”, completou.

Switch-off

Os pilotos de desligamento dos canais analógicos de TV, dentro da transição para a TV digital, começarão, conforme já anunciado, em Rio Verde (GO) e, em sequência, Brasília, com a ideia de testar como será o processo nos grandes centros.

Marconi Maya, superintendente de outorga da Anatel, apontou um cronograma do switch-off durante a ABTA 2014, nesta terça, 5, em São Paulo. Segundo ele, dos 6.617 canais previstos no Plano Básico de TV Digital, 2.731 ainda não foram ao Ministério das Comunicações para dar entrada ao pedido de consignação e 3.556 estão em condições de operação.

Em Rio Verde, o desligamento do analógico acontece em novembro de 2015, enquanto em Brasília a data do switch-off será em abril do ano seguinte. Ainda em 2016, serão desligados os sinais analógicos em São Paulo (maio), Belo Horizonte (junho), Goiânia (agosto) e Rio de Janeiro (novembro). “A gente pretende aprender com Rio Verde e Brasília para depois ir para os grandes centros”, diz Maya.

Em 2017, serão desligados os sinais analógicos em junho em Curitiba, Florianópolis e Porto Alegre. Até novembro de 2018, em todo o Brasil.

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

O mercado de TV por assinatura mudou. Operadores, programadores e canais se adaptam a um novo tempo em que a não-linearidade, a distribuição multiplataforma e novas formas de engajamento e interação entre telespectadores e conteúdos passa a ser a regra. Neste evento, uma reflexão sobre o presente e o futuro da indústria no Brasil, seus principais desafios, os caminhos que estão surgindo, as principais inovações e as tendências globais mais relevantes. Um evento organizado com a expertise e a curadoria editorial das publicações TELA VIVA, PAY-TV e TELETIME. Mais informações pelo email eventos@teletime.com.br

30 de julho a 31 de julho
WTC Events Center – São Paulo, SP, SP, Brasil
EVENTOS

O mercado de TV por assinatura mudou. Operadores, programadores e canais se adaptam a um novo tempo em que a não-linearidade, a distribuição multiplataforma e novas formas de engajamento e interação entre telespectadores e conteúdos passa a ser a regra. Neste evento, uma reflexão sobre o presente e o futuro da indústria no Brasil, seus principais desafios, os caminhos que estão surgindo, as principais inovações e as tendências globais mais relevantes. Um evento organizado com a expertise e a curadoria editorial das publicações TELA VIVA, PAY-TV e TELETIME.

30 de julho a 31 de julho
WTC Events Center – São Paulo, SP, SP, Brasil
Top