OUTROS DESTAQUES
Mipcom 2011
Mais de 40% das pessoas entre 16 e 34 anos usam redes sociais enquanto veem TV
terça-feira, 04 de outubro de 2011 , 19h50 | POR DANIELE FREDERICO, DE CANNES

Os espectadores têm usado celulares, tablets e computadores e acessado as redes sociais, como Facebook e Twitter, enquanto assistem à TV. Uma pesquisa da TV Genius, da Red Bee Media, mostrou que 47% das pessoas entre 16 e 34 anos usam regularmente redes sociais enquanto assistem a TV. A informação foi apresentada por Tom Weiss, gerente geral da TV Genius, nesta terça-feira, 4, durante o Mipcom 2011.

A empresa monitora atividade relativa à TV em diferentes países. “Vimos que há tráfego de informações sobre TV fora dos horários em que os programas estão na grade, o que significa que as pessoas estão vendo ‘catch up’ TV, DVR, entre outros”, diz Weiss.

Segundo o executivo, embora o Twitter tenha um grande volume de informações sobre o que as pessoas assistem, esses dados não são representativos. “As pessoas ‘twitam’ sobre um programa se gostam dele ou o detestam”, diz. Neste sentido, o people meter, aparelho para medir a audiência na casa das pessoas, seria mais eficaz, pois não considera os programas que as pessoas não gostam – e, portanto, não assistem.

Recomendações

Uma das discussões em torno da utilização das redes sociais ao mesmo tempo em que se assiste TV é se haverá uma substituição do guia de programação pelas recomendações dos amigos pelas redes. Segundo Sean Besser, vice-presidente de desenvolvimento de negócios da Rovi Corporation, empresa de tecnologia de entretenimento digital, pesquisa realizada pela empresa mostrou que 83% dos espectadores não têm a menor ideia do que querem assistir no momento em que se sentam em frente à TV.

Segundo Clair Tavernier, da FremantleMedia, as conversas geradas nas redes sociais enquanto os programas são exibidos têm sido boas para ajudar a conquistar audiência e a vender, tanto os formatos quanto os produtos derivados, em especial dos programas menores. No entanto, ela afirma que ainda não foi possível achar lucro direto nas redes sociais. “Por enquanto o que conseguimos foi ‘buzz’ para os programas”.

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

O mercado de TV por assinatura mudou. Operadores, programadores e canais se adaptam a um novo tempo em que a não-linearidade, a distribuição multiplataforma e novas formas de engajamento e interação entre telespectadores e conteúdos passa a ser a regra. Neste evento, uma reflexão sobre o presente e o futuro da indústria no Brasil, seus principais desafios, os caminhos que estão surgindo, as principais inovações e as tendências globais mais relevantes. Um evento organizado com a expertise e a curadoria editorial das publicações TELA VIVA, PAY-TV e TELETIME. Mais informações pelo email eventos@teletime.com.br

30 de julho a 31 de julho
WTC Events Center – São Paulo, SP, SP, Brasil
EVENTOS

O mercado de TV por assinatura mudou. Operadores, programadores e canais se adaptam a um novo tempo em que a não-linearidade, a distribuição multiplataforma e novas formas de engajamento e interação entre telespectadores e conteúdos passa a ser a regra. Neste evento, uma reflexão sobre o presente e o futuro da indústria no Brasil, seus principais desafios, os caminhos que estão surgindo, as principais inovações e as tendências globais mais relevantes. Um evento organizado com a expertise e a curadoria editorial das publicações TELA VIVA, PAY-TV e TELETIME.

30 de julho a 31 de julho
WTC Events Center – São Paulo, SP, SP, Brasil
Top