OUTROS DESTAQUES
Mercado
Peso da regulamentação fecha a Porto Seguro Conecta
quarta-feira, 03 de outubro de 2018 , 20h50

(Matéria originalmente publicada no Mobile Time) A Conecta foi a primeira MVNO a abrir as portas no Brasil e é também a primeira a fechar. A empresa não conseguiu competir em preço com as operadoras tradicionais, mas tinha como diferencial a qualidade no seu atendimento, que a fez ser apontada por três anos consecutivos como a melhor operadora do Brasil, em pesquisa realizada pela Anatel. O principal motivo por trás da decisão de encerrar as atividades foi o peso das obrigações regulatórias, afirmam fontes que acompanham o assunto de perto.

Pela regulamentação atual, de acordo com a resolução 575, MVNOs com mais de 50 mil linhas em serviço precisam cumprir uma série de exigências iguais àquelas de operadoras de grande porte, como instalar um sistema antifraude e equipamentos para o monitoramento da velocidade de download e upload da rede. O novo Plano Geral de Metas de Competição (PGMC) aponta para uma mudança favorável às MVNOs: somente prestadoras com mais de 5% de market share precisarão cumprir tais obrigações. Mas enquanto isso não é regulamentado continua valendo a resolução 575.

Na última sexta-feira, 28, a Anatel publicou a resolução 698, que estabelece um comitê para discutir as obrigações das prestadoras de pequeno porte. A expectativa do mercado é que o comitê, com a participação de entidades do setor privado, ajude a acelerar a adaptação da regulamentação, o que poderia acontecer no primeiro semestre de 2019. A criação do referido comitê é vista por fontes do mercado como um sinal de que a Anatel acordou para a urgência das MVNOs. Porém, para a Porto Seguro Conecta, foi tarde demais.

COMENTÁRIOS

5 Comentários

  1. Com um regulamento que não dá diferenciais competitivos de fato para entrantes, não abre espaço a inovação e startups. A Porto Seguro persistiu muito. Nenhuma novidade para quem é do ramo.

  2. Tânia Mangolini Carvalho disse:

    Não estou acreditando nisso. Fazem três anos que não tenho problemas com a operadora de celular. Não tenho dúvidas que a qualidade vai cair e muito. Ja tive TIM e os problemas foram muitos. Que será de nós agora?

  3. Bruno Pereira disse:

    Vamos ver quanto tempo os Correios vai permanecer, uma vez que eh uma empresa pública, sem concorrentes e que quando está no prejuízo, paga as contas com o dinheiro público

  4. Antonio Donato Nobre disse:

    VERGONHA, quando fui buscar hoje para mudar da TIM (pessimo serviço) para a Porto Seguro Conecta, descubro que os felizes clientes da ultima estão sendo devolvidos para a TIM, para voltarem a ser infelizes. A cultura corporativa de tratar os clientes no Brasil como LIXO é alastrante e mafiosa, uma desgraça.

  5. Ebenézer Caldeira disse:

    Fui TIM e agora sou Conecta há 3 anos e fiquei muito satisfeito por uma série de motivos que não é só por parte do atendimento. Experimentei e continuo ainda o melhor da telefonia móvel mas infelizmente vou ter que voltar para a TIM, de onde eu vim. A única vantagem é que nós que estamos na Conecta "teremos" o mesmo pacote, valores e descontos no seguro auto, entrega de um segundo celular por perda ou roubo ou conserto, como também mantendo o mesmo valor da conta e mesmos direitos no pacote fechado. Agora……será? E se começar tudo bonitinho e certinho, até quando? Porque na hora de receber clientes todos prometem o melhor. Quero ver depois de um tempo.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

Comece o ano com um debate atualizado e aprofundado sobre os principais pontos da pauta política e regulatória do setor de Comunicações para o ano de 2019, as perspectivas para o novo governo e para o trabalho da Anatel, além de discussões aprofundadas sobre o modelo de regulação por incentivos e a aplicação  e implicações da Lei de Proteção de Dados para o setor de telecomunicações.

19 de fevereiro
Auditório Finatec, DF, Brasil
EVENTOS

Comece o ano com um debate atualizado e aprofundado sobre os principais pontos da pauta política e regulatória do setor de Comunicações para o ano de 2019, as perspectivas para o novo governo e para o trabalho da Anatel, além de discussões aprofundadas sobre o modelo de regulação por incentivos e a aplicação  e implicações da Lei de Proteção de Dados para o setor de telecomunicações.

19 de fevereiro
Auditório Finatec, DF, Brasil
Top