OUTROS DESTAQUES
OMC
Brasil recorre de decisão da OMC contra a Lei de Informática e outros programas
segunda-feira, 02 de outubro de 2017 , 11h27 | POR REDAÇÃO, COM AGÊNCIA BRASIL

O Brasil entrou com recurso contra a decisão da Organização Mundial do Comércio (OMC), que deu prazo de 90 dias para retirar subsídios à produção nacional de conteúdos. O organismo considerou inconsistentes com as regras internacionais sete medidas adotadas que incluem a isenção e redução de impostos para empresas que produzirem seus produtos no País, como o IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados). Isso beneficia o produto nacional em detrimento do importado e poder ser considerado um subsídio, que é uma prática comercial vista como anticompetitiva pela OMC.

Os argumentos do recurso ainda não foram divulgados, mas cada recurso é avaliado por três membros de uma comissão permanente de análise de apelações. Geralmente, essa comissão tem até três meses para concluir seu relatório. No entanto, os apelos devem basear-se em questões de direito, como a interpretação jurídica – não podem reabrir as descobertas factuais feitas pelo painel.

O governo brasileiro já mapeou as alterações que podem ser feitas nas legislações, de forma a atender as regras internacionais. Porém, essas medidas somente serão fechadas após a decisão da OMC.

O relatório da OMC sobre a decisão foi divulgado no dia 30 de agosto. O processo contra os subsídios brasileiros foi iniciado pela União Europeia e Japão, que abriram processos contra o InovarAuto, de incentivo à inovação tecnológica na cadeia produtiva de veículos automotores, o Programa de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Indústria de Semicondutores e Displays (Padis) e a Lei de Informática. Houve processos também contra os programas de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Indústria de Equipamentos para TV Digital e o de inclusão digital, que já foram extintos.

A acusação na OMC é de que seria anticompetitivo estabelecer regimes tributários diferenciados para produtos produzidos no Brasil. Os países defendem que isso dificulta as importações desses itens ao Brasil.

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS
Não Eventos
EVENTOS
Não Eventos
Top