OUTROS DESTAQUES
Internet
CGI.br quer participar de discussão no STF sobre acesso a dados no exterior
quarta-feira, 02 de Maio de 2018 , 18h33

O Comitê Gestor da Internet (CGI.br) quer entrar na discussão no Supremo Tribunal Federal sobre a jurisdição e aplicação da legislação brasileira no acesso a conteúdo privado na Internet armazenado fora do Brasil. O assunto foi discutido a reunião da entidade no final de março, quando foi definida a participação como amicus curiae (amigo da Corte) na próxima audiência sobre a Ação Declaratória de Constitucionalidade (ADC) 51 no STF. A ata formalizando a decisão foi aprovada na reunião da semana passada.

A ação foi ajuizada no final de novembro do ano passado pela Federação das Associações das Empresas de Tecnologia da Informação, a Assespro Nacional. A última audiência sobre o tema aconteceu no dia 4 de abril, a pedido do ministro relator, Gilmar Mendes. A Procuradora-Geral da Republica, Raquel Dodge, defendeu em parecer posição contrária à ADC 51, justificando que a aplicativos com sede no exterior devem obedecer à legislação brasileira.

Conforme a ata aprovada no dia 27 de abril, os conselheiros do CGI entenderam que era necessária a participação da entidade em uma próxima audiência no STF. Porém, não chegaram a um consenso sobre qual posição o Comitê deverá adotar – enquanto alguns defendiam uma postura mais técnica, sem tomar partido, outros entenderam que seria necessário se posicionar para defender o artigo 11 do Marco Civil da Internet, que já trata das requisições de dados em ordem judicial.

Ficou acertada a elaboração de um rascunho inicial sobre o tema, que será circulado entre conselheiros do Grupo de Trabalho de Relacionamento com Poder Judiciário, que é composto pelos conselheiros Demi Getschko, Eduardo Parajo, Flávia Lefèvre, Luiz Fernando Martins Castro (designado como coordenador), Marcos Dantas Loureiro, Otávio Luiz Rodrigues Júnior, Tanara Lauschner e Thiago Tavares Nunes de Oliveira. Obtido um consenso no GT, o documento será encaminhado ao pleno do Comitê para a aprovação.

O STF já aceitou como amicus curiae na ADC 51 o Facebook, o Yahoo, o Instituto de Referência em Internet e Sociedade (Iris) e a Sociedade de Usuários de Tecnologia (Sucesu Nacional).

Subsídios

Para esclarecer o tema, o Comitê recebeu participação de representantes do Ministério Público Federal e do Ministério da Justiça, que justificaram ser contra a aplicação generalizada do acordo de assistência judiciário-penal entre os governos do Brasil e dos Estados Unidos, o Mutual Legal Assistance Treaty (MLAT), argumentando que tal medida adicionaria burocracia e dificultaria a obtenção dos dados. Defendendo a aplicação do tratado estavam representantes da Assespro, incluindo o ex-ministro do STF e advogado da entidade, Carlos Ayres Britto.

A posição do MPF é de que a argumentação das empresas se baseia em "premissas equivocadas e contraria a legislação pátria frontalmente". Isso porque o Código de Processo Civil estabelece que o Judiciário tem jurisdição sobre empresas brasileiras e também estrangeiras com agência, filial ou sucursal no País. E que a legislação internacional reconhece essa mesma regra de jurisdição.

Diz ainda que o artigo 11 do Marco Civil não deveria ser interpretado apenas com aplicação "em parte" para a preservação do sigilo, e que por isso a obtenção de dados deveria ser seguido o processo de cooperação internacional. No entender do MPF, não é possível impor limites à regra de jurisdição do artigo 11 justamente porque o dispositivo estabelece "de forma bastante incisiva" que a legislação brasileira deverá ser respeitada quando uma das atividades ocorrer em território nacional, e que a forma de obtenção é tão importante quanto a guarda. O MLAT, portanto, só deveria ser usado se o Judiciário brasileiro não tiver jurisdição sobre a prova. Alega também que há "aspecto ilógico" da defesa de jurisdição aplicável "apenas quando a matriz estrangeira da empresa brasileira entender cabível".

A nota técnica da Procuradoria-Geral da República também é contra a aplicação do MLAT nesses casos, afirmando que o local da sede da empresa ou do armazenamento de dados não pode determinar a jurisdição. Cita o regulamento geral de proteção de dados da União Europeia, o GDPR, que também assegura jurisdição ao país-membro sobre os dados nele recolhidos. "Admitir que o Brasil, país que está na vanguarda da questão, somente tem meia jurisdição sobre dados de provedores de Internet recolhidos no Brasil a partir de serviços oferecidos no Brasil, excluindo-se o conteúdo, vai na contramão da comunidade internacional", declara. Afirma que, como consequência, "seria rasgado o Marco Civil da Internet", e que deixar o MLAT como única opção em investigações criminais inviabilizaria esses processos.

O Ministério da Justiça também discordou da aplicação do acordo bilateral anglo-brasileiro para qualquer investigação. Alegou que isso dificulta a obtenção de dados, uma vez que apenas 22,5% dos pedidos aceitos pela justiça dos EUA, que levam em média 13 meses para atender às requisições.

Por outro lado, a Assespro defende que o MLAT deve ser entendido como um complemento ao Marco Civil da Internet, reiterando que defende a lei. Diz ainda que em investigações de crimes mais graves como pedofilia, ameaça à vida e sequestros, por exemplo, é possível a troca de informações de forma automática, pois é uma exceção expressa da lei. "O afastamento da aplicabilidade, por pretensos fundamentos constitucionais, dos mecanismos de cooperação jurídica internacional, como é o caso do MLAT, além de indevidamente afastar a constitucionalidade do Decreto 3810/2001, não ameaça em nenhum momento a soberania nacional. Pelo contrário, esta lei que institui a cooperação internacional, negociada pelo Executivo e aprovada pelo Congresso dentro do rito previsto, é a expressão desta soberania", afirmou em comunicado o advogado do caso e ex-ministro do STF, Carlos Ayres Britto.

Segundo a Assespro, há casos em que o MLAT é obtido em dez dias. E que o acordo está incorporado à legislação brasileira, e que é necessário pensar no dispositivo como uma via de duas mãos, com reciprocidade.

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS

O Painel TELEBRASIL, mais tradicional encontro de posicionamento do setor de telecomunicações, discutirá em 2018 os rumos da indústria depois do ciclo de sucesso completado com os 20 anos da privatização do sistema estatal de telecomunicações. A realidade da Internet das Coisas, a chegada da tecnologia de 5G, a necessidade um ambiente mais flexível e dinâmico para os investimentos essenciais a esta nossa etapa e um modelo preparado para o futuro são alguns dos desafios em debate, com presença dos presidentes das principais empresas prestadoras de serviços e provedoras de tecnologias, além de autoridades, reguladores e especialistas.
Em sua edição de número 62, o Painel TELEBRASIL 2018 ganha um dia a mais de debates, com mais espaço e oportunidades para a troca de informações, relacionamento e atualização, tanto para profissionais da indústria quanto para reguladores e formuladores de políticas, que têm acesso gratuito ao evento (mediante inscrição prévia). É o espaço em que as principais lideranças da indústria marcam posição em relação a estratégias, tecnologias e políticas públicas neste novo ciclo.

22 de Maio a 24 de Maio
Royal Tulip Brasilia Alvorada, DF, Brasil
EVENTOS

Evento oficial da Associação Brasileira de Empresas de Telecomunicações, o Painel TELEBRASIL, mais tradicional encontro de posicionamento do setor. É o espaço em que as principais lideranças da indústria marcam posição em relação a estratégias, tecnologias e políticas públicas.

22 de Maio a 24 de Maio
Royal Tulip Brasilia Alvorada, DF, Brasil
Top