OUTROS DESTAQUES
Estratégia
Backhaul é a aposta do setor de satélites para usar "excesso de capacidade"
sexta-feira, 01 de setembro de 2017 , 20h19

As operadoras de satélite enxergam oportunidades no mercado de fornecimento de backhaul, seja para a necessidade das teles em regiões afastadas para antenas 3G e 4G, seja para a banda larga no varejo. O setor reconhece que há, no momento, uma "supercapacidade" de banda com a crescente oferta de satélites de alto throughput (HTS). A aposta é que logo será justificada pelo aumento da demanda. O tema foi discutido no Congresso Latinoamericano de Satélites, que aconteceu no Rio de Janeiro esta semana. O evento é organizado pela TELETIME e pela Glasberg Comunicações.

Para o diretor comercial da Intelsat, Márcio Brasil, a procura chegará na medida em que a crise econômica arrefecer. "Vamos retomar e estaremos preparados para suprir as necessidades, esperamos uma demanda muito grande por parte das operadoras de celular, que com certeza vai crescer muito pela necessidade de obrigações de cobertura", declara. Com os satélites HTS, ele espera chegar a capacidade e custo "muito próximos" aos oferecidos por infraestrutura terrestre. "Isso vai aumentar a procura por satélite, e esse tráfego está ficando cada vez maior", diz, afirmando que os números são "astronômicos" para a capacidade em megabit demandada. "Em poucos anos, isso vai mostrar que as operadoras estavam certas em fazer investimento."

Como parte da Embratel e do grupo América Móvil, a StarOne vê o fornecimento de capacidade satelital para backhaul móvel como um caminho prioritário. A empresa anunciou recentemente um novo satélite, o D2, que ficará na posição 70 graus e terá capacidade nas bandas C, Ku, Ka e X. O presidente da operadora, Gustavo Silbert, espera fechar o contrato definitivo de fornecimento do equipamento e lançador em setembro. A Claro já vai ocupar grande parte da capacidade do D2, mas Silbert destaca que todos os satélites sempre têm parte da capacidade vendida também para terceiros.

O diretor geral da Hispamar, Sérgio Chaves, estima que o backhaul satelital deverá dobrar em cinco anos, também por conta da banda larga residencial. "A gente acredita que, apesar de tudo, tem demanda", diz. A operadora planeja lançar em novembro o Amazonas 5 para o mercado de banda larga, mas ele ressalta que não irá direto ao consumidor final.

"O mercado de backhaul tem potencial enorme", destaca o VP de marketing da SES para América Latina, Jurandir Pitsch. "No momento em que você chega em um limite de preço compatível com o que o mercado está precisando, a demanda de Internet é insaciável, e no Brasil há carência de infraestrutura muito grande no Norte e Nordeste. Há ainda a participação do satélite para capacidade do futuro padrão 5G. "Acompanhamos tantos comitês na UIT, na Anatel, porque é muito importante, principalmente para o 5G, para que desde o início se pense no satélite como parte da infraestrutura", declara Pitsch. "Se passar dessa fase e alguma aplicação do futuro venha a impedir que o satélite possa participar, seja por latência ou jitter, vamos ter um problema muito sério", completa.

Na avaliação do deputy CTO da SES, Ruy Pinto, a indústria chegou "um pouco atrasada na festa". No entanto, enxerga oportunidade na distribuição de conteúdo (CDN) por satélite. "Se você distribuir vídeo como parte do backhaul da arquitetura 5G, se conseguirmos isso, vamos nos igualar à Europa", declara.

O diretor geral da Telesat, Mauro Wajnberg, enxerga que o mercado vive o fruto de uma política regulatória bem sucedida nos últimos 17 anos. "Hoje existe excesso de capacidade, mas com o tempo espera-se que o mercado se equilibre", declara. O executivo calcula cerca de 27 Gbps em banda C disponíveis, e 23 Gbps em banda Ku, totalizando cerca de 50 Gbps. "Quando inclui o HTS, esse número vai para 150 Gbps. E aí você vê, com o SGDC trazendo 58 Gbps, que ele tem mais capacidade do que todos os satélites (de bandas) C e Ku licenciados pela Anatel até hoje", estima. "Por isso a importância das regras claras e isonômicas para balancear", completa.

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário para esta notícia.

Deixe o seu comentário!

EVENTOS
Não Eventos
EVENTOS
Não Eventos
Top